top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Polícia prende suspeito de balear Mingau, do Ultrage a Rigor



Músico foi atingido por um tiro na cabeça e está internado. Homem preso está à disposição da Justiça e polícia segue buscas por mais envolvidos.


Na tarde deste domingo 3, um homem foi preso, sob suspeita de envolvimento no ataque a tiros que atingiu o baixista Rinaldo Oliveira Amaral, conhecido por Mingau, do grupo Ultraje a Rigor. A prisão ocorreu em uma casa no bairro Ilha das Cobras, em Paraty, no Rio de Janeiro, mesmo local em que o músico de 56 anos foi alvo de tiros e baleado na cabeça na noite de sábado 2, enquanto passava de carro em alta velocidade ao lado de um amigo.



Segundo a Polícia Civil, os policiais chegaram ao suspeito por meio de uma denúncia anônima. Ao chegar no local, encontraram um notebook e uma grande quantidade de drogas, armas e munições.


O homem, que não teve o nome divulgado, foi levado à delegacia e está à disposição da Justiça. Ainda de acordo com a Polícia Civil, os agentes continuam em busca de outros envolvidos no crime.



O crime

Segundo o amigo de Mingau, os disparos aconteceram por volta das 22hs de sábado, quando após sacarem dinheiro em um banco, estavam a caminho de algum lugar para fazer um lanche. Ao passar perto da Praça do Ovo, na Ilha das Cobras, o carro do músico foi alvejado com diversos tiros, sendo que um atingiu Mingau que, atingido, caiu para o lado do carona. Em seguida, o carro perdeu o controle e bateu no portão de uma casa.


O músico foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado para o Hospital Municipal Hugo Miranda, em estado grave. Como o local não possuía um neurocirurgião, ele foi transferido em uma UTI móvel de um helicóptero do Corpo de Bombeiros para o Hospital São Luiz, na Zona Sul de São Paulo, na manhã deste domingo.


Confusão

De acordo com Marcello Russo, delegado titular de Paraty, Marcello Russo, a área onde o músico foi baleado é dominada pelo tráfico de drogas e pode ter sido confundido por se tratar de uma picape preta.



Fonte: Veja - Simone Blanes







0 comentário

Comments


bottom of page