top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Living Colour celebra 35 anos de seu álbum de estreia e revela produção de novas músicas



Corey Glover, vocalista do Living Colour, conversou recentemente com o jornalista Kenny Kessel, do The Metal Voice, para falar sobre o 35º aniversário do álbum de estreia da banda, Vivid, que foi lançado em 3 de maio de 1988.


O disco, que entregou ao público os clássicos “Cult of Personality” e “Glamour Boys”, é um dos mais cultuados do final dos anos 1980. De acordo com Glover, um grande diferencial desse trabalho foi a produção requintada de Mick Jager, vocal dos Rolling Stones.


“Vernon (Reid, guitarrista) teve a chance de tocar com o Mick Jagger em seu disco solo e Jagger tinha ouvido falar sobre Vernon e o Living Color. Então, ele (Jagger) e Jeff Beck vieram nos ver tocar no CBGB’s. Depois disso, Jagger perguntou que se houvesse algo que pudesse fazer para nos ajudar, bastava avisar”, contou Glover, revelando que o icônico cantor os convidou para gravar em um estúdio em Nova York e fez questão de assinar a produção.





“Fomos e fizemos ‘Which way to America’ e ‘Glamor boys’, que achamos que era uma espécie de comercial por si só. Então ele (Jagger) produziu e gravou essas duas músicas como uma demo, para enviar para gravadoras. Algumas pessoas [executivos] ficaram interessadas e disseram que poderiam fazer isso acontecer, poderiam nos tornar as maiores estrelas do mundo e… assim por diante. Então fomos para a Epic Records e a Epic foi quem fez isso funcionar”, contou o cantor, que ainda acrescentou que Vivid é um disco que chama a atenção do público pelo fato de soar como se a banda estivesse tocando ao vivo.


Questionado se o Living Colour estava trabalhando em novas músicas, Glover disse: “Claro que sim, estamos sempre trabalhando na música. É difícil tomar nosso tempo fazendo álbuns, isso é uma bênção e uma maldição. Porque você recebe muito material enquanto está na estrada e depois disso todos nós temos algo a fazer. Mas estamos todos trabalhando o tempo todo”.


Mesmo com a dificuldade de reunir o material para a produção de um disco novo, Glover comentou que o próximo trabalho precisa sair logo: “Temos que criar um tempo para poder nos reunir e realmente nos concentrar em fazer um disco”.





No final do ano passado, a banda se reuniu em um estúdio de Nova York para trabalhar em novo material para seu sétimo álbum de estúdio, prometido para 2023 (AQUI).


O Living Colour sai em agosto numa turnê pelos Estados Unidos com o Extreme e seguem juntos no mês seguinte para a Austrália. A expectativa é que pelo menos um single ganhe a luz do dia antes dessa nova série de shows.






0 comentário

Comments


bottom of page