top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Pearl Jam reforça ativismo pelo meio ambiente em parceria com projeto do povo Kayapó



No último sábado (22), foi celebrado o Dia Mundial do Planeta Terra, data que representa a luta em defesa do meio ambiente.


A comemoração carrega o propósito de promover a reflexão sobre a importância do planeta e o desenvolvimento da consciência ambiental nas pessoas. O tema deste ano, aliás, foi “investir no Planeta Terra” e quem entrou na campanha foi o Pearl Jam.


Conhecida por sua forte relação com causas sociais e ambientais, a banda americana postou em sua conta no Instagram no mesmo dia um vídeo falando sobre o povo Kayapó, que ajuda na manutenção da floresta amazônica, da biodiversidade e dos ecossistemas da região.


Na publicação que você confere ao final da matéria, o grupo liderado por Eddie Vedder escreveu:

O Pearl Jam comemora este Dia da Terra através de seu apoio ao Kayapó Project. O povo Kayapó é guardião de uma vasta extensão de floresta amazônica na linha de frente do desmatamento. Os Kayapó e seus aliados conseguiram se manter firmes contra uma miríade de ameaças cada vez mais intensas. Junte-se à aliança hoje em kayapo.org e defenda o futuro do nosso planeta.

Que iniciativa incrível, né? Vale lembrar que, pelo seu papel de guardião, o povo Kayapó enfrenta diversas ameaças e ataques e precisa da sua ajuda. Você pode saber mais sobre o Projeto Kayapó aqui.


Pearl Jam e suas ações em benefício do meio ambiente

Em tempo, o Pearl Jam destinou US$200 (mais de R$1 mil) por tonelada para seu programa de compensação de carbono durante sua última turnê.


O quinteto investiu a quantia em várias soluções, inclusive com o povo Kayapó no Brasil, representando o maior investimento único do grupo em qualquer organização desde que lançaram o programa.


Em passagem pelo Brasil em 2018, o PJ compensou as emissões de carbono dos shows com a plantação de mais de 10 mil árvores através do Amazonia Live, em parceria com a Conservação Internacional e o Programa Carbono Neutro do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam).


Que mais gente possa seguir o exemplo!




0 comentário

Kommentare


bottom of page