top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Ozzy Osbourne cogita usar cadeira para voltar a fazer apresentações


Fontes próximas dão conta de que o Príncipe das Trevas está estudando novas possibilidades para voltar aos palcos.


Quem pensou que era o fim de uma era, pode estar enganado. No começo de fevereiro, Ozzy Osbourne causou comoção entre seus fãs ao anunciar que estava se aposentando dos palcos. No final do mesmo mês, durante seu programa na SiriusXM dos Estados Unidos, disse que a imprensa tinha exagerado na interpretação de seu comunicado e que ele ainda buscava forças para voltar às turnês.


E ao que tudo indica, o Madman está estudando todas as possibilidades de fazer o que mais gosta, se apresentar ao vivo. O jornal britânico The Sun ouviu de um amigo próximo do cantor que ele está decidido a retornar aos palcos “mesmo que isso signifique se apresentar em uma cadeira”.


O amigo de Ozzy diz: “Ele ainda tem problemas com seu equilíbrio e não pode ficar em pé sem ajuda por longos períodos. Isso o frustra, porque o impede de fazer um show completo de 90 minutos, cheio de suas corridas no palco e movimentos interativos com a multidão”.


A publicação também relata que Ozzy pensa em uma curta temporada de shows em Las Vegas ou em alguma casa de Los Angeles e estaria seguindo conselhos de seu amigo Axl Rose, do Guns ’N’ Roses, que se apresentou em turnê com um pé quebrado em cima de um trono, assim como ocorreu com Dave Grohl, do Foo Fighters, quando enfrentou o mesmo problema. Outra inspiração para o retorno de Ozzy às turnês seria Phil Collins, que se apresentou nos derradeiros concertos do Genesis sentado em uma cadeira.


“Ozzy teme que ele possa não ser capaz de ficar parado, o que pode ser um desafio. Mas há planos de usar alguns efeitos especiais e até mesmo máquinas no palco para que a cadeira se mova”, comentou o amigo.


A fonte acrescentou ainda: “Essa é a determinação de Ozzy. No entanto, Sharon [Osbourne, esposa e empresária do músico] está preocupada com o fato de seu marido ser submetido a uma carga de trabalho pesada em torno de shows”.


0 comentário
bottom of page