top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Editora alemã rompe contrato com Till Lindemann e Rammstein se manifesta

Além de acusações de abuso, editora soube que vocalista usou livro em vídeo onde celebrava violência sexual contra mulheres



A editora alemã Kiepenheuer & Witsch anunciou ter rompido o contrato com Till Lindemann. Além das recentes alegações de abusos, a empresa descobriu que o vocalista do Rammstein usou o livro “On Quiet Nights” (2013), publicado em parceria, em um vídeo pornográfico onde celebrava violência sexual contra mulheres.


Diz a nota oficial enviada à imprensa e publicada nas redes sociais:


“É com choque que acompanhamos as acusações públicas contra Till Lindemann nos últimos dias. Nossa solidariedade e respeito vão para as mulheres afetadas.


No decorrer das notícias, tomamos conhecimento de um vídeo pornô no qual Till Lindemann celebra a violência sexual contra mulheres e no qual o livro de 2013 ‘On Quiet Nights’, publicado pela Kiepenheuer & Witsch, desempenha um papel. Classificamos isso como quebra grosseira de confiança e como um ato implacável em relação aos valores que representamos como editora.
Defendemos a liberdade da arte com plena convicção. Através das ações de Till Lindemann, que humilham as mulheres na pornografia acima mencionada e o uso direcionado de nosso livro em um contexto pornográfico, a separação entre o ‘eu lírico’ e o autor/artista, que tanto defendemos, é ridicularizada pelo próprio autor.
Do nosso ponto de vista, Till Lindemann excede limites imutáveis ao lidar com mulheres. Portanto, decidimos encerrar nossa colaboração com Till Lindemann com efeito imediato, pois nossa relação de confiança com o autor foi irremediavelmente quebrada.”


Nos últimos dias, várias mulheres vieram a público relatar comportamentos abusivos do artista. O movimento começou após a irlandesa Shelby Lynn alegar ter sido dopada por Till e sua equipe, visando uma tentativa de abuso sexual. A situação teria ocorrido durante um show especial para membros do fã-clube da banda em Vilnius, capital da Lituânia, celebrando o início da turnê “Europa Stadion”.




Além de narrar a situação, a jovem exibiu capturas de tela e fotos de suas alegações. Ela diz ter sido convidada para um encontro pessoal com o vocalista durante uma pequena pausa no show, com a intenção de ter relações sexuais com ele. Com a alegada recusa por parte da moça, o artista teria se comportado de forma agressiva.


Rammstein se manifesta


Após o comunicado da editora, o Rammstein se manifestou sobre o tema pela segunda vez, após uma curta nota dias atrás. Disse o grupo:

“As publicações dos últimos dias têm causado irritação e questionamentos no público e principalmente entre os nossos fãs. As alegações nos atingiram muito e as levamos extremamente a sério. Dizemos aos nossos fãs: é importante para nós que você se sinta confortável e seguro em nossos shows – na frente e atrás do palco.


Condenamos qualquer tipo de transgressão e pedimos a você: não se envolva em preconceito público de qualquer tipo contra aqueles que fizeram denúncias. Você tem direito ao seu ponto de vista.
Mas nós, a banda, também temos o nosso direito – ou seja, de não sermos preconceituosos.”


Porém, outras vítimas compartilharam experiências semelhantes em shows do grupo, não apenas da atual turnê. Há ainda relatos nas redes sociais Reddit e Tumblr apontando para uma suposta seleção de fãs para ficarem bem na frente do palco durante os shows e sendo dopadas em festas posteriores.








0 comentário
bottom of page