top of page
  • Foto do escritorLuan Radney

Disco de show clássico de Rita Lee, ‘A Marca da Zorra’, chega aos players


Foto: Mila Maluhy

 


O cenário reproduzia um castelo, escuro, bem estilo filme de terror. Das escadas, com cabelos repicados, roupa preta justa e um costeiro vermelho vivo, Rita Lee descia e provocava: “Que porra é essa? Essa é a marca da zorra!”. O trecho é do refrão de “A Marca da Zorra”, música título composta por Rita e Roberto de Carvalho especialmente para a tour de 1995. O disco ao vivo, gravado no Rio de Janeiro e produzido por Roberto, chega finalmente aos players a partir de 15 de dezembro pela Universal Music.



A abertura é um dos detalhes especiais pensados pelo casal para aquela que seria a primeira turnê desse porte – com tema, cenário e troca de roupas – desde a “Tour 87/ 88”. Vale lembrar que Rita foi pioneira nesse modelo de show, desde os anos 1970. Entretanto, antes da “Zorra”, ela vinha de uma bem-sucedida temporada do “Bossa’n’Roll”, seu show banquinho e violão que abriu caminhos para os acústicos que vieram a seguir. A ideia do retorno triunfal aos grandes concertos começou no Hollywood Rock de 1995, quando Rita, Roberto e banda tocaram no festival, abrindo para os Rolling Stones. Essa foi a deixa para “A Marca da Zorra”.


Concebido para ser um show que celebra o rock de Rita, o trio de canções que vem seguindo a abertura é matador: “Nem luxo, nem lixo”, “Dançar pra não dançar” e “Jardins da Babilônia”. A direção musical e os arranjos de Roberto são perfeitos para o clima mais pesado que permeia todo o show.


Na sequência, Rita levitava no palco ao cantar “Ando meio desligado”. Com uma capa, a ilusão era perfeita e o público vibrava. O cenário e o figurino foram assinados por Chico Spinosa. A vibe teatral de Rita seguia com “Vítima”, quando ela vagava pelo palco de capa e chapéu cantando à procura de seu misterioso perseguidor. Transformando-se, a própria, na perseguidora. Um mini-helicóptero sobrevoava o palco nesse momento. “Todas as mulheres do mundo” vem a seguir, numa pauleira-feminista que incendeia o palco. Ouvir o show novamente é uma lembrança viva de um dos inúmeros talentos de Rita: ninguém ocupava o palco como ela.


Enquanto Rita fazia outra troca de figurino, Roberto assume o microfone em um ótimo vocal displicente-pauleira para “Papai, me empresta o carro”. No show, Roberto está na guitarra e vocais; Lee Marcucci no baixo; Paulo Zinner na bateria; Ronaldo Paschoa na guitarra e Fábio Recco nos teclados.


Rita voltava como uma entidade, debaixo de um figurino branco, cantando “Atlântida”, uma das preferidas dos fãs. E por falar em preferida dos fãs, “Mamãe Natureza” vem na sequência e, logo depois, o hino “Ovelha Negra” – com o público cantando do início ao fim. Virginia, irmã de Rita, fazia vocais nessas duas canções.  Uma curiosidade: como o show celebrava os rocks mais pesados de Rita, os rockarnavais – como “Chega Mais” e Banho de Espuma” – ficaram de fora. No fim do show, dá para ouvir as pessoas pedindo “Lança Perfume”, que também não estava no repertório.


“Miss Brasil 2000” é a próxima. Uma modelo nua por debaixo de uma capa rosa desfilava pelo palco. A icônica “On the rocks” vem em seguida com um arranjo delicioso e vocais urgentes de Rita. Para fechar, o rockão paulista “Orra Meu”, quando ela troca os versos “roqueiro brasileiro/ sempre teve cara de bandido” para “roqueiro brasileiro/ já não tem mais cara de bandido”. Nesse momento, Rita estava vestida de boba da corte. Um jeito apoteótico e perfeito para fechar a celebração da Zorra. Uma celebração à roqueira-mor que, para deleite dos fãs, finalmente chega aos players e celebra o legado de nossa deusa.


Ave, Rita!


*Por Guilherme Samora: jornalista, editor e estudioso do legado cultural de Rita Lee.


Rita Lee completaria 76 anos no dia 31 de dezembro. No mês de aniversário da nossa inesquecível roqueira, celebramos o seu maravilhoso legado com o lançamento deste álbum ainda inédito nas plataformas digitais. Será um presente mais do que especial para todos os seus fãs”, diz Paulo Lima, presidente da Universal Music Brasil.



 

0 comentário

Comments


bottom of page